Um pouco de nossa historia

“Quando eu me perguntei o que se faria necessário pra que nós, humanos, tornássemos novamente homo sapiens. Observando em volta o complexo social você pode observar que estamos mais para animais curvos e safados.

Faz-se necessário encontrar símbolos, formas, filosofias para que o homem entenda o motivo de se tornar novamente homo sapiens. Foi com essas indagações, com essa busca de como encontrar esses símbolos, essas respostas para nos tornarmos homo sapiens, que a história começou:

foi na beira do tapajós …

… Quando um reduto de pessoas resolveu sair da cidade, cada um com um barco, buscando encontrar um lugar e formar uma comunidade alternativa…

…em 1976 a primeira proposta de comunidade alternativa chamada bandeira branca. Passamos por algumas experiências, e depois eu tive que me afastar do tapajós. Inclusive no Rio de Janeiro, em 1977, quando eu vi a necessidade de erguer a primeira bandeira branca, simbolicamente, no alto da Pedra da Gávea na caverna da “orelha”.

Então o surgimento da proposta da Irmandade foi em 1976 e o símbolo maior hoje do nosso trabalho que é a bandeira branca que foi erguida em 1977 no alto da Pedra da Gávea, por eu considerar ali o símbolo maior do gigante adormecido que é o Brasil. “

Paulo Brasil

A Filosofia da AICBB

A necessidade de se propagar uma idéia faz com que criemos motivos de como repassa-las. Símbolos são formas encontradas para se transmitir uma idéia. A busca dessa idéia, de demonstrar como se tornar homo sapiens, me levou a encontrar palavras, formas e cores para transmitir essa filosofia.

Esse símbolo começa com o triangulo que representa um enigma e dentro desse triangulo tem alguns astros que representam a força maior das nossas energias que são: a estrela Sol, o planeta Terra e o astro Lua. Para que esse enigma não tenha término e pontas, ficou sendo o centro das aspirais que representa a vida. E a continuidade da vida se representa com as palavras do amor, verdade e procriação. Pró-criação é uma palavra fundamental para que o homem supere as dificuldades, os problemas da humanidade através de soluções, ou seja: “pro” é a favor, e criação significa criar uma ação do bem que supere o mau. Essa é a intenção do que entendemos pela palavra procriação.

Em torno disso tem a forma e as cores do arco-íris que representa a vida por nós conhecida, ou seja, luz mais água e o seu reflexo, forma o arco íris. E as palavras chaves:

  1. a) “Irmandade” por considerar que tudo é energia, e assim sendo, somos irmãos de tudo.
  2. b) Comuníndios ou “Comun in Dios” por sentir que todos têm em comum uma força maior, um Deus, que em cada lugar do planeta se tem um nome diferente. Então “Comuníndios” é por nós compreendido, comum em Deus.
  3. c) Bandeira Branca por ser um símbolo maior dos humanos para representar a paz.

É essa a simbologia que eu vejo que se as pessoas prestarem atenção, compreenderem e exercitarem no seu dia a dia essa busca, vivenciar isso, é possível tornar-nos novamente em homo sapiens.

O Amor na sua grandeza e profundidade superior e sublime faz com que os homens se tornem maiores e superiores e isso só pode se afirmar com a verdade, e em verdade viver isso. E se aprendermos a superar as dificuldades com soluções simples, poderemos assim edificar maior o nosso caminho, o nosso progresso espiritual.

O nosso objetivo é que cada pessoa possa conhecer-se melhor, e entender o que esta em volta com mais clareza. A intenção do trabalho da AICBB é oferecer oportunidade pra que cada um volte a exercer seu nome cientifico que é homo sapiens.

Sobre a proposta da filosofica da Comunindios Bandeira Branca

Uma proposta filosófica que ressalta a importância de Vivermos em Amor, Verdade e Procriação, e muito mais que essas simples palavras, valorizar o ser humano e todas as formas de energia existentes no universo. Saber a importância de conhecer o significado de sermos Homo Sapiens. Utilizar a mente como ferramenta ativa de expansão destas verdades e não apenas um canal receptor intuitivo de emoções e recordações.
A Irmandade vem através de sua proposta filosófica, desenvolvendo e expandindo diversas atividades que buscam o contato do homem com a natureza e sua essência divina tais como: realizando cerimonias de expansão da consciência através do uso sacramental da bebida “Xamãe” conhecida por outros povos como Ayahuasca ou popularmente como “Daime”.

Sua proposta ritualística difere muito das demais atualmente conhecidas, oferecendo um contato mais livre e mais próximo do homem com a natureza. Ainda que seja reconhecida como uma instituição “religiosa”, busca compreender na essência o real significado desta palavra que vem do Latin – (Religião – Religare), ou seja, reconectar, religar-se com o Divino.

Entretanto, não buscar esta ligação através de um intermediário, como um Pastor, Padre, Xamã, Mestre ou Guru. Devemos nos religar com nosso verdadeiro Deus interior, a essência divina que temos guardada em nossa consciência, a verdade que cada um cria e molda de acordo com seus princípios e valores adquiridos em cada cultura e em cada nação. Devendo assim respeitar e reconhecer os valores de cada indivíduo independente de sua raça, crença ou cor. Por isso a existência do nome Irmandade, por entender que todos somos irmãos, iguais perante o universo e a soma de todas as energias do cosmo. Irmãos não apenas de seres humanos, mais também dos animais, dos vegetais e também dos minerais.

A palavra “Comunindios” vem do entendimento de que todos devemos ser “Comum-em-Deus” (Comun-in-Dios). Deus e apenas mais um nome que damos para conceituar esta forca divina que acreditamos existir. Porém outras culturas conceituam com outros nomes tais quais: Jeová, Oxun, Alah, Jah, Brhama, Xchiva, além de outros. A proposta da irmandade é valorizar todos os conceitos e ir além disso, criar um sentimento ‘comum’ entre todas as crenças, e por isso, ser Comum em Deus.

Bandeira Branca é a proposta de Paz que necessitamos em nossa atual sociedade, buscamos a paz no mundo e no coração da humanidade, por isso lutamos em irmandade para que o Amor prevaleça e a Verdade triunfe, a verdade de cada indivíduo, assim juntos nos tornamos Um com o Universo.

Além da proposta espiritual que oferecemos através dos rituais xamânicos, a Irmandade também busca a valorização da floresta em pé. Reconhecendo que somos parte da natureza e que devemos conserva-la para que possamos viver em harmonia, somos a favor do reflorestamento. Por isso através da união e parceria com outras instituições e amigos, estamos na missão de semear e criar projetos de cultivo sustentável em áreas degradadas para as tornar produtivas para o cultivo de hortaliças e plantas medicinais tais como as plantas de poder que utilizamos para a produção do Xamãe. Esta iniciativa visa o resgate da nossa cultura indígena que vem se perdendo ao longo das gerações.

Hoje percebemos que o sistema ao qual vivemos nos impulsiona para uma sociedade de consumo no qual ao longo do tempo nos tornamos dependentes de coisas e produtos. Nossas raízes ancestrais não precisavam de farmácia para curar uma enfermidade. Nossos antepassados conheciam e utilizavam a natureza como fonte de conhecimento e para cura de todos os males na comunidade. Por isso buscamos resgatar estas tradições através do cultivo de plantas medicinais além de criar projetos para incentivar a valorização deste conhecimento que vem se perdendo.

Estamos vivendo uma era de transformações, a era da consciência e da informação. Valorizar a natureza que também somos parte e de vital importância para a continuidade da nossa espécie. Essa e a missão da nossa Irmandade Comunindios Bandeira Branca.

Sobre a filosofia da ICBB

Irmandade Comunindios Bandeira Branca.

Uma proposta filosófica que ressalta a importância de Vivermos em Amor, Verdade e Pro-Criação, muito mais que essas simples palavras, valorizar o ser humano e todas as formas de energia existentes no universo. Saber a importância de conhecer o significado de sermos Homo Sapiens. Utilizar a mente como ferramenta ativa de expansão destas verdades e não apenas um canal receptor intuitivo de emoções e recordações.
A Irmandade vem através de sua proposta filosófica, desenvolvendo e expandindo diversas atividades que buscam o contato do homem com a natureza e sua essência divina tais como: realizando cerimonias de expansão da consciência através do uso sacramental da bebida “Xamãe” conhecida por outros povos como Ayahuasca ou popularmente como “Daime”. Sua proposta ritualística difere muito das demais atualmente conhecidas, oferecendo um contato mais livre e mais próximo do homem com a natureza. Ainda que seja reconhecida como uma instituição “religiosa”, busca compreender na essência o real significado desta palavra que vem do Latin – (Religião – Religare), ou seja, reconectar, religar-se com o Divino. Entretanto, não buscar esta ligação através de um intermediário, como um Pastor, Padre, Xamã, Mestre ou Guru. Devemos nos religar com nosso verdadeiro Deus interior, a essência divina que todos temos guardada em nossa consciência, a verdade que cada um cria e molda de acordo com seus princípios e valores adquiridos em cada cultura e em cada nação. Devendo assim respeitar e reconhecer os valores de cada indivíduo independente de sua raça, crença ou cor. Por isso a existência do nome Irmandade, por entender que todos somos irmãos, iguais perante o universo e a soma de todas as energias do cosmo. irmãos não apenas de seres humanos, mais também dos animais, dos vegetais e também dos minerais.
A palavra “Comunindios” vem do entendimento de que todos devemos ser “Comum-em-Deus” (Comun-in-Dios). Deus é apenas um nome que damos para conceituar esta forca divina que acreditamos existir. Porém outras culturas conceituam com outros nomes tais quais: Jeova, Oxun, Alah, Jah, Brhama, Xchiva, além de outros. A proposta da irmandade e valorizar todos os conceitos e ir além, criar um sentimento ‘comum’ entre todas as crenças, por isso ser Comun em Deus.

Bandeira Branca é a proposta de Paz que necessitamos em nossa atual sociedade. Buscamos a Paz no mundo e paz no coração da humanidade, por isso lutamos em irmandade para que o Amor prevaleça e a Verdade triunfe, a verdade de cada indivíduo e assim juntos nos tornamos Un com o Universo.
Além da proposta espiritual que oferecemos através dos rituais xamânicos, a Irmandade também busca a valorização da floresta em pé. Reconhecendo que somos parte da natureza e que devemos conserva-la para que possamos viver em harmonia, somos a favor do reflorestamento. Por isso através da união e parceria com outras instituições e outros amigos, estamos na missão de semear e criar projetos de cultivo sustentável em áreas degradadas para torna-las produtivas para o cultivo de hortaliças e plantas medicinais tais como as plantas de poder que utilizamos para a produção do Xamãe. Esta iniciativa visa o resgate da nossa cultura indígena que vem se perdendo ao longo das gerações. Hoje percebemos que o sistema ao qual vivemos nos impulsiona para uma sociedade de consumo no qual ao longo do tempo nos tornamos dependentes de coisas e produtos. Nossas raízes ancestrais não precisavam de farmácia para curar uma enfermidade.

 

Nossos antepassados conheciam e utilizavam a natureza como fonte de conhecimento e para cura de todos os males na comunidade. Por isso buscamos resgatar estas tradições através do cultivo de plantas medicinais além de criar projetos para incentivar a valorização deste conhecimento que vem se perdendo.
Estamos vivendo uma era de transformações, a era da consciência e da informação. Valorizar a natureza que também somos parte e de vital importância para a continuidade da nossa espécie. Essa e a missão da nossa Irmandade Comunindios Bandeira Branca.

Sobre a ICBB

A Irmandade Comunindios Bandeira Branca, fundada em Alter do Chão (PA), Amazônia, é um grupo que utiliza o Xamãe (Ayahuasca) em seus rituais para o desenvolvimento social, espiritual e auto-conhecimento. Independente da religião ou crença de cada pessoa ressaltamos a importância de vivermos em AMOR, VERDADE e PRO-CRIAÇÃO. O nosso objetivo é que cada pessoa possa se conhecer melhor, entendendo a si mesmo e o que esta a sua volta com mais clareza, através da busca e contato com a força superior que traz a luz para muitas perguntas até então, sem respostas.

A Irmandade vem através de sua proposta filosófica, desenvolvendo e expandindo diversas atividades que buscam o contato do homem com a natureza e sua essência divina, como realizando cerimonias de expansão da consciência através do uso sacramental da bebida “Xamãe”, Ayahuasca e popularmente conhecida como “Daime”.

O Xamãe, preparado por nós e servido em nossas cerimônias, é uma bebida sagrada milenar, é o elo entre o “ser” e a “força superior”, é a chave para entender muitos mistérios, fazendo com que cada indivíduo torne-se um ser espiritual dotado de auto-conhecimento capaz de encontrar em si todas essas respostas existentes no cosmos.

Nossa proposta ritualística difere das demais, oferecendo um contato mais livre e mais próximo do homem com a natureza. Ainda que seja reconhecida como uma instituição religiosa, a ICBB busca compreender na essência o real significado desta palavra que vem do Latin (Religião = Religare), e significa re-conectar, religar-se com o Divino.

Entretanto e com todo respeito, não buscamos isso através de um intermediário, como um Pastor, Padre, Xamã, Mestre ou Guru. Nos religamos com nosso verdadeiro Deus interior, a essência divina que todos temos guardada em nossa consciência e em nosso coração, a verdade que cada um cria e molda de acordo com seus princípios, experiências, valores adquiridos em cada cultura e em cada nação.

Assim respeitamos e reconhecemos os valores de cada indivíduo independente de sua raça, crença ou cor. Por isso, a palavra Irmandade, entendemos que todos somos irmãos, iguais perante o universo e a soma de todas as energias do cosmo.

Somos irmãos não apenas de seres humanos, mas também dos animais, dos vegetais e dos minerais.

A palavra Comunindios vem do entendimento de que todos devemos ser “Comum-em-Deus” (Comun-in-Dios).
Deus é apenas um nome que damos para conceituar esta força divina que acreditamos existir. Porém outras culturas conceituam com outros nomes tais quais: Jeová, Oxun, Alah, Jah, Brhama, Shiva, Shaddai, além de muitos outros. A proposta da Irmandade visa valorizar todos os conceitos e ir além, criando um sentimento “comum” de respeito e tolerância entre todas as crenças, por isso nos consideramos Comum em Deus.

Bandeira Branca é a proposta de Paz que necessitamos em nossa atual sociedade. Buscamos a paz no mundo e paz no coração da humanidade, por isso nos unimos em Irmandade para que o Amor prevaleça e a Verdade triunfe, a verdade de cada indivíduo compreendida dentro de uma grande verdade divina, assim, juntos nos tornamos UM com o Universo.

Além da proposta espiritual que oferecemos através dos rituais religiosos/espirituais, a Irmandade também valoriza a natureza reconhecendo que fazemos parte dela e que devemos conserva-la para que possamos viver em harmonia, somos a favor do reflorestamento. Através da união e parceria com outras instituições e amigos, estamos na missão de semear e criar projetos de cultivo sustentável em áreas degradadas para torna-las produtivas para o cultivo de hortaliças e plantas medicinais tais como as plantas de poder que utilizamos para a produção do Xamãe. Esta iniciativa visa o resgate da nossa cultura indígena que vem se perdendo ao longo das gerações. Hoje percebemos que o sistema ao qual vivemos nos impulsiona para uma sociedade de consumo no qual ao longo do tempo nos tornamos dependentes de coisas e produtos. Buscamos resgatar estas tradições através do cultivo de plantas medicinais além de criar projetos para incentivar a valorização deste conhecimento que vem se perdendo.

Estamos vivendo uma era de transformações, a era da consciência e da informação. Valorizar a nossa natureza é de vital importância para a continuidade da nossa espécie.
Essa é a missão da nossa Irmandade Comunindios Bandeira Branca.